Para Rosângela Helena Ramos Antunes, MBA em Gestão de Pessoas e Liderança Couch at Centro Universitário La Salle, é importante uma análise do papel da ouvidoria nas organizações e o impacto de sua atuação nos ambientes de trabalho, verificando se a ouvidoria, enquanto interlocutora, no processo de comunicação organizacional, funciona como termômetro, permitindo às organizações avaliarem suas atitudes e adotarem medidas de aperfeiçoamento na gestão de processos e de pessoas.

Ao considerar que a função da Ouvidoria é zelar pelos princípios condutores da administração pública (moralidade, impessoalidade, legalidade e eficiência), Rosângela Antunes confere que além das atribuições exigidas no trato com as demandas, cabe à Ouvidoria promover estudos, pareceres e sugestões colaborativas, tudo com o objetivo de aprimorar e adequar os serviços às necessidades dos cidadãos e minimizar a burocracia.

Assim, destaca que pontos de atuação devem ser ultimados de forma permanente para que se alcance um desempenho de gestão eficiente, quais sejam:

– Transparência nos procedimentos administrativos e gerenciais;

– Agilidade no atendimento às demandas;

– Sigilo de informações e fatos;

– Isenção no trato das demandas;

– Uso de informações e documentos existentes na empresa; e

– Tratamento equânime das partes.

Entende que uma Ouvidoria não pode ser considerada a única responsável pela solução dos problemas apresentados. Ela é uma aliada interna e não uma concorrente ou adversária dos demais setores da organização. Portanto, essa é a outra parte do trabalho da ouvidoria, buscar respostas e soluções para os problemas, articulando o processo administrativo, sem causar estranheza e animosidades no “front” interno.

Fonte: http://www.omd.com.br/blog/ouvidoria-impacto-nos-ambientes-de-trabalho

Condensação do artigo: Professor Silvio Luzardo